O SIGNIFICADO COMO O BEM MAIOR (SOMBRA E LUZ – CONCLUSÃO)

Com este artigo de Jordan Peterson encerramos o mês dedicado ao genial Psicólogo, Humanista e Escritor canadense e também a série de artigos sob o tema “Sombra e Luz” composta por  04 vídeos e 06 artigos:

 

01 – SOMBRA E LUZ  (Apresentação)

02 – SOMBRA E LUZ (PARTE 1)

03 – SOMBRA E LUZ (PARTE 2)

04 – SOMBRA E LUZ (PARTE 3)

05 – SOMBRA E LUZ (PARTE 4)

06 – O Significado como o Bem Maior (Conclusão)

 

 

Se percebemos que a vida realmente tem um sentido, percebemos também que somos úteis uns aos outros. Ser um ser humano, é trabalhar por algo além de si mesmo.

 Viktor Frankl

 

Cada ser humano tem uma capacidade imensa para o mal. Cada ser humano entende, a priori, talvez não o que seja o Bem, mas certamente o que não é. E se há algo que não é o Bem, então há algo que é o Bem. Se o pior pecado é torturar os outros simplesmente pelo sofrimento, então o Bem é qualquer coisa diametralmente oposta a isso. O Bem é qualquer coisa que impede isso de acontecer

Foi a partir disso que extraí minhas conclusões morais fundamentais. Mire alto. Preste atenção. Conserte o que puder consertar. Não seja arrogante com o próprio conhecimento. Empenhe-se em ser humilde, porque o orgulho totalitário se manifesta na intolerância, opressão, tortura e morte. Torne-se consciente da própria insuficiência – de sua covardia, malevolência, ressentimento e ódio. Considere a parte sanguinária do próprio espírito, antes de ousar acusar os outros e de tentar consertar a estrutura do mundo. Talvez a falha não esteja no mundo. Talvez ela esteja em você. Você falhou em acertar a meta. Você errou o alvo. Você está destituído da glória de Deus. Você pecou. E tudo isso é a sua contribuição para a insuficiência e para o Mal do mundo. E, acima de tudo, não minta. Não minta sobre nada, nunca. A mentira leva ao Inferno. Foram as mentiras grandes e pequenas dos estados nazistas e comunistas que produziram a morte de milhões de pessoas.

Considere então que aliviar dor e sofrimento desnecessários é um Bem. Faça disso um axioma: com o melhor de minhas habilidades agirei de forma que alivie dor e sofrimento desnecessários. Agora, você depositou um conjunto de pressuposições e ações voltadas à melhoria do Ser no pináculo da hierarquia moral. Por quê? Porque conhecemos a alternativa. A alternativa foi o século XX. A alternativa estava tão próxima do Inferno que nem vale a pena discutir a diferença. E o oposto do Inferno é o Céu. Depositar o alívio da dor e do sofrimento desnecessários no pináculo de sua hierarquia de valor é trabalhar para trazer o Reino de Deus à Terra. Ele é um estado e uma mentalidade ao mesmo tempo.

Conveniência é seguir o impulso cego. É o ganho em curto prazo. Ela é estreita e egoísta. Ela mente para conseguir ir adiante. Ela não leva nada em consideração. Ela é imatura e irresponsável. O significado é seu substituto amadurecido. O significado surge quando os impulsos são regulados, organizados e unificados. O significado surge a partir da interação entre as possibilidades do mundo e a estrutura de valor que opera dentro desse mundo. Se a estrutura de valor está orientada para o aprimoramento do Ser, então o significado revelado será o sustento da vida. Ela fornecerá o antídoto para o caos e para o sofrimento. Ela tornará tudo melhor.

Conveniência é esconder toda a sujeira debaixo do tapete. É cobrir com um pano o sangue que você acabou de derramar. É evitar a responsabilidade. É covarde, superficial e errada. É errada porque a mera conveniência, multiplicada por muitas repetições, produz o personagem de um demônio. É errada porque a conveniência meramente transfere a maldição que pesa sobre você para outra pessoa, ou para seu eu futuro, de uma maneira que tornará o seu futuro, e o futuro geral, pior em vez de melhor.

O que é conveniente funciona apenas para o momento. É imediato, impulsivo e limitado. O que é significativo, por contraste, é a organização daquilo que, de outra maneira, seria meramente conveniente em uma sinfonia do Ser. O significado é o que Beethoven produziu, tão poderosamente que as palavras não conseguem expressar, em sua “Ode à Alegria”, uma criação triunfante a partir do vazio, moldada em uma constância linda, em que cada instrumento toca a sua parte, com as vozes disciplinadas reunindo tudo isso, perpassando a total amplitude da emoção humana, do desespero à euforia.

O significado é o que se manifesta quando os vários níveis do Ser se organizam e formam uma perfeita harmonia funcional, do microcosmo atômico à célula, ao órgão, ao indivíduo, à sociedade e ao cosmos, para que a ação em cada nível facilite bela e perfeitamente a ação em todos os outros, de tal modo que o passado, o presente e o futuro sejam todos de uma vez redimidos e reconciliados. O significado é o que surge linda e profundamente como um botão de rosa, recém-formado, abrindo-se da inexistência à luz do sol e de Deus. O significado é o lótus que batalha para subir, passando pelas profundezas escuras do lago e atingindo a água sempre límpida, florescendo bem na superfície, revelando dentro de si mesmo o Buda Dourado, ele mesmo perfeitamente integrado, tal qual a revelação da Verdade Divina pode se fazer manifesta em cada uma de suas palavras e gestos.

O significado é aquele momento quando tudo o que existe fica alinhado em uma dança que tem um único propósito – a glorificação de uma realidade que não importa quão boa tenha repentinamente se tornado, pode ficar cada vez melhor e eternamente assim em direção ao futuro. O significado ocorre quando a dança se torna tão intensa que todos os horrores do passado, todas as terríveis batalhas pelas toda a vida e toda a humanidade passaram até esse momento, tornem-se uma parte necessária e válida da tentativa cada vez mais bem-sucedida de construir algo verdadeiramente Poderoso e do Bem.

O significado é o equilíbrio máximo entre, de um lado, o caos da transformação e da possibilidade, e, do outro, a disciplina da ordem incontaminada, cujo propósito é gerar, a partir do Caos, uma Ordem que será ainda mais imaculada e capaz de produzir um Caos e uma Ordem ainda mais produtivos e equilibrados.

O significado é o Caminho, a senda da vida mais abundante, o lugar em que você vive quando é guiado pelo Amor e fala a Verdade, e quando nada do que você deseja ou poderia desejar, será mais importante.

“Aquele cuja vida tem um porquê, pode suportar quase todos os comos”  (Friedrich Nietzsche)

 

Resultado de imagem para jordan petersonJordan B. Peterson em “12 Regras para a Vida (Um antídoto para o Caos)”

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *