LeviathanLeviathan”  –  The Grid & Robert Fripp

 

 

Embora não tenha sido essa a intenção de seus criadores, “Leviathan” representa a junção histórica de dois mitos que ajudaram a criar a música eletrônica britânica – e, de certa forma, do mundo, por conseguinte: Robert Fripp, o lendário guitarrista de tantas encarnações musicais do King Crimson e Dave Ball, o músico e produtor musical britânico que, junto com Marc Almond formou o duo de synthpop, Soft Cell, que, de 1978 a 1984, dominou a cena eletrônica mundial e, após isso, formou outro duo, o projeto de “electronica”, denominado The Grid, erroneamente enquadrado quer como “dance music” ou como “ambient music”.

Trabalhando material não aproveitado de ambos eles criaram esta colaboração musical, denominada   “Leviathan”, que é uma viagem tão mágica quanto a mítica, imensa e misteriosa criatura pré-histórica dos mares que deu nome a este projeto e tão cerebral que deveria ser tentada no redescoberto vinil ou no som surround – para quem pode – ao âmago da mais avançada música eletrônica que é produzida nos dias de hoje. Um tributo mais do que merecido a dois magos que nos têm oferecido o que de melhor a música nos pode proporcionar.

 

 

 

 

 

Dark In Here“Dark in Here” – The Mountain Goats

 

 

Perto do final de 2014, o nome por trás do grupo The Mountain Goats, o californiano John Danielle, seu líder, fundador e único membro do grupo durante alguns anos, escreveu a seguinte frase: “Só existem duas histórias: ou se vai prá frente ou se morre”

Pela história do Mountain Goats, hoje um quarteto, é fácil perceber qual caminho ele escolheu! Pois essa foi uma história de movimentação e transformação permanente.

A única constante em “Dark in here” presente em todos os trabalhos do Mountain Goats é a persistente desolação presente em quase toda a discografia do grupo e que aqui mais uma vez sublinha a tensão existente, emendando cada canção em um trabalho conceitual tenso e extremamente agradável de ser escutado.

 

 

 

 

The Goon Sax - Mirror II Art Wall Print Poster Original Decor“Mirror II”  –  The Goon Sax

O trio de Brisbane (Austrália) faz uma imersão cavernosa no post-punk para nos oferecer sua versão do estranho horror que significa a época em que somos jovens adultos.

“Mirror II” o terceiro trabalho deles , e o primeiro para o prestigiado selo Matador Records eles vão fundo para fotografar os males dessa fase da vida: vergonha, ansiedade, desconforto, medo, fata de conexão, tédio e, sobretudo, muito desgosto. Mesmo abordando temas tão  pouco agradáveis, o trabalho deles é chique e glamouroso.

 

Ouça  AQUI  o álbum “Mirror II” com o The Goon Sax

 

 

 

 

Luminol“Luminol”  –  Midwife

Midwife é o nome artístico da música/compositora de Denver (USA), Madeline Johnston.

Madeline refere-se ao som do Midwife, seu projeto musical, como sendo “heaven metal” (literalmente metal do paraíso), ou, nas palavras dela, “música emotiva sobre devastação e catarse”.

De fato, nome mais adequado ela não poderia ter escolhido para seu projeto: Midwife (Parteira)”. Nas composições de “Luminol”, seu terceiro  “dream pop”, toques de música ambiente e guitarra “lo-fi” criam de fato um ambiente em que a “parteira”, agora radicada no Novo México, com a colaboração de Zachary Cole Smith e de Colin Caulfield do DIIV extraia leveza do peso, serenidade da sombra, divino do que é terráqueo, formando um todo perfeito para dar vida a algo que poderia ser conceituado como sob o hipotético molde de “heaven metal”. Segura essa!

 

Ouça  AQUI  o  álbum “Luminol”  com  Midwife

 

 

 

 

A Color of the Sky“A color of the sky” – The Lightning Bug

 

Guiados pela voz etérea da cantora Audrey Kang, a banda nova-iorquina Lightning Bug chega a um luxuoso terceiro projeto dando asas à livre criação de seu processo criativo.

“A color of the sky” é o mais bem acabado dos projetos do grupo: uma bela coleção de canções que se valem de atmosferas sonhadoras, fazendo uso de sintetizadores e suaves guitarras no formato de Art Rock com a contribuição de algumas