Isaac Bashevis Singer (1904 – 1991) nasceu em 1904, na cidade polonesa de Radzymin, perto de Varsóvia. Seu pai era um rabino, e sua mãe, Bathsheba, era filha de um rabino. Aos três anos, Singer mudou-se com a família para Varsóvia, onde seu pai supervisionava um Beth din, uma espécie de corte de rabinos, em que atuava como juiz e líder espiritual. A família Singer vivia nos superpopulosos bairros judeus da cidade, que tanto marcariam a produção literária do autor. Posteriormente, foram residir em Bilgoray, um vilarejo judeu.

Singer recebeu uma educação judaica rígida, adquirindo conhecimento sobre as leis hebraicas e textos aramaicos. As obras de Espinosa, Gogol e Dostoiévski igualmente lhe foram marcantes.

Contar histórias era um costume na sua família, e em uma idade muito tenra Singer também começou a inventar suas próprias fábulas. Em 1920, chegou a entrar em um seminário rabínico, mas desistiu e voltou a Bilgoray. Sustentou-se dando aulas de hebraico e, em 1923, mudou-se para Varsóvia, onde iniciou sua carreira jornalística trabalhando para periódicos literá­rios, chancelado por seu irmão, o também escritor I. J. Singer.

Amazon.com.br eBooks Kindle: Cuentos (Spanish Edition), Bashevis Singer, IsaacSeu primeiro livro publicado foi o romance Der Sotn in Goray (O satã em Goray), lançado em 1932, na Polônia. O estilo do livro buscava imitar a prosa retórica de livros iídiches medievais.

Em 1935, fugindo do anti-semitismo, Singer mudou-se para os Estados Unidos, separando-se assim da sua primeira mulher, Rachel, e de seu filho, Israel, que se mudaram para Moscou e então para a Palestina. Singer estabeleceu-se em Nova York, onde passou a trabalhar no jornal iídiche Forverts. Em 1940, casou-se pela segunda vez, com Alma Hainmann, uma imigrante alemã. Em 1943, Singer tornou-se um cidadão americano.

Histórias publicadas em Daily forward foram posteriormente reunidas nos livros In my father’s court (1966) e More stories from my father’s court (2000). Com sua eleição em 1964 para o National Institute of Arts and Letters, tornou-se o único membro americano da instituição a escrever em outra língua que não o inglês. “O iídiche é a linguagem sábia e humilde de todos nós, o idioma da assustada e esperançosa humanidade”, disse o autor certa vez.

Singer publicou dezoito romances, quatorze livros infantis, além de ensaios e artigos, mas tornou-se mais conhecido por seus contos. Embora escrevesse originalmente em iídiche, traduziu, co-traduziu e/ou supervisionou a tradução de várias de suas obras para o inglês, admitindo que esse se tornara, com o passar dos anos, sua segunda língua.

INIMIGOS: UMA HISTÓRIA DE AMOREntre seus romances mais conhecidos estão: The Family Moskat (1950), seu primeiro título publicado em inglês, The Manor (1967) e The Estate (1969), The magician of Lublin (1961) e Shosha (1978). Suas reuniões de contos mais famosas são: Um amigo de Kafka (1970, L&PM POCKET) e The death of Methuselah and other stories (1988). Entre seus livros autobiográficos estão In my father’s court Amor e Exílio (1984, L&PM POCKET), que falam, entre outras coisas, da sua criação religiosa na Polônia e do gradual distanciamento dos preceitos e costumes da prática religiosa. Também os seus personagens ficcionais são pessoas com posicionamentos religiosos pouco rígidos ou ortodoxos.

Suas histórias poderiam ser consideradas realistas, mas subjaz aos seus enredos uma mágica das coisas cotidianas e comuns que distanciam a prosa de Singer do realismo tradicio­nal. Igualmente, o autor sempre salientou em seus personagens as pulsões sexuais e amorosas, e seu texto é todo ele temperado por um sutil senso de humor melancólico. Além dos dramas pessoais de cada personagem e do tema específico de cada história, a obra de Singer retrata a vida dos agrupamentos judaicos no início do século, em meio à pobreza e à superstição, ou a vida dos imigrantes judeus no período entre-guerras ou pós-Segunda Guerra Mundial.

Nos últimos quatorze anos da sua vida, Singer teve a companhia de Dvorah Telushkin, a quem ele conheceu em 1975. Singer faleceu em 24 de julho de 1991. Vários de seus livros foram transformados em filmes, entre os quais: Yentl, dirigido por Barbra Streisand em 1983, e Inimigos, uma história de amor, de 1972, transformado em filme em 1989 com direção de Paul Mazursky.

 

 

 

Fonte :  L&PM Editores  Isaac Bashevis Singer

 

 

PENSAMENTOS  DE  ISAAC BASHEVIS SINGER

 

 

„Não haverá justiça enquanto o homem empunhar uma faca ou uma arma e destruir aqueles que são mais fracos que ele.“ —  Isaac Bashevis Singer

Quando um humano mata um animal para comer, está a negligenciar a sua própria fome por justiça. O homem reza por misericórdia, mas está relutante em estendê-la aos outros. Porque que o homem há de esperar misericórdia de Deus? É injusto esperar uma coisa que não estás disposto a dar.“ —  Isaac Bashevis Singer

When a human kills an animal for food, he is neglecting his own hunger for justice. Man prays for mercy, but is unwilling to extend it to others. Why should man then expect mercy from God? It’s unfair to expect something that you are not willing to give. citado em “Food for the spirit: vegetarianism and the world religions” – página i”,

Fonte: https://citacoes.in/autores/isaac-bashevis-singer/

 

„Se você fica dizendo que as coisas vão ficar ruins, tem boa chance de se tornar um profeta.“ —  Isaac Bashevis Singer

Fonte: https://citacoes.in/autores/isaac-bashevis-singer/

 

„Nós temos que acreditar no livre arbítrio, nós não temos outra opção.“ —  Isaac Bashevis Singer

Um comentário irônico que Singer fez em muitas entrevistas ao longo de muitos anos; aqui citado no “Isaac Singer’s Promised City” http://www.city-journal.org/html/7_3_urbanities-isaac.html City Journal ( Verão de 1997)

Fonte: https://citacoes.in/autores/isaac-bashevis-singer/

 

“Em sua trajetória até se tornarem seres humanos, todos os homens são nazistas. Os seres humanos percebem vividamente a opressão quando eles próprios são vítimas. De outra forma eles vitimizam os outros cegamente e sem hesitar um segundo” –  Isaac Bashevis Singer

„In their behavior toward creatures, all men are Nazis. Human beings see oppression vividly when they’re the victims. Otherwise they victimize blindly and without a thought.“

Fonte: https://citacoes.in/autores/isaac-bashevis-singer/