Franz Schubert (1797-1828) foi um compositor erudito austríaco do fim do classicismo da época do romantismo. Foi exímio compositor do gênero lied, canção lírica, cantada.

 

 

Escreveu cerca de seiscentas peças musicais (o “lied” alemão), bem como óperas, sinfonias, incluindo a “Sinfonia Incompleta“, sonatas entre outros trabalhos.

Suas obras mais conhecidas são: “Ave Maria”, “Truta”, “Morte e a Donzela” e a “Sinfonia Inacabada”. Foi considerado, posteriormente, o maior poeta lírico da música universal.

Franz Peter Schubert nasceu em Himmelpfortgrund, subúrbio de Viena, Áustria

Começou a estudar violino com o pai e piano com o irmão, mas com sete anos já superava todos eles.

Ainda em 1814, usando versos de Goethe, em poucos minutos, escreveu “Margarida na Roca” – uma obra prima, considerada a expressão mais alta do lied.

Também inspirado em textos de Goethe, compôs vários lieder de surpreendente intensidade dramática, que reuniu na coleção “Cenas de Fausto”.

Em 1815, ao completar 18 anos, sua produção havia chegou a 203 obras, entre as quais a “Missa n.º 2 em Sol”, a “2.ª Sinfonia em Si Bemol Maior” e a “3.ª Sinfonia em Ré Maior”, quatro óperas e 145 lieder, entre eles, “O Canto Noturno do Viajante”, “Rosa Silvestre” e “O Rei dos Elfos”.

Sem conseguir viver de sua música, e os conflitos com o pai levaram Franz a mergulhar na boemia.

Em 1824, bem antes de completar trinta anos, Schubert já estava dominado pelo sofrimento que a sífilis lhe causava.

A música erudita da época romântica aprendeu muito com o austríaco Schubert, que é considerado o maior compositor de música clássica lírica, cantada.

Foi um dos alunos do mestre Antonio Salieri e, apesar de ter escrito mais de mil peças de música, nunca esteve financeiramente confortável, sempre alternando em receber pequenas fortunas pelo seu trabalho, concertos e apresentações, e gastar tudo em festas regadas a comida e vinhos caros.

Morreu muito jovem, com apenas trinta e um anos de idade, provavelmente de febre tifoide.

Seu corpo foi enterrado no cemitério de Währing, distrito de Viena, mas, em 1888 seus restos mortais foram trasladados para o cemitério de Viena.

Viveu apenas trinta e um anos e para além de um círculo restrito de conhecedores, não teve reconhecimento publico.

Contudo, o interesse pela sua música aumentou significativamente nas décadas que se seguiram à sua morte. O contributo para colocar Schubert no panteão dos grandes compositores da história da música europeia foi dado por outros grandes compositores do século XIX que foram seus admiradores, como Felix MendelssohnRobert SchumannFranz Liszt ou Johannes Brahms. Hoje, o seu estilo considerado por muitos como imaginativo, lírico e melódico, fá-lo ser considerado um dos maiores compositores do século XIX, marcando a passagem do estilo clássico para o romântico.

 

 

Fonte:  eBiografia

 

Fonte alternativa e complementar : Wikipédia Franz Schubert