“Between  Two  Points”  –  The Montgolfier Brothers

 

O inglês Roger Patrick Martin Quigley era da região de Manchester, a cinzenta e industrializada metrópole do noroeste da Inglaterra, mais conhecida do público brasileiro por ser a cidade que deu ao mundo futebolístico duas agremiações famosas atualmente: o Manchester United e o Manchester City. Mas, isso é pura maldade, pois a cidade também  é berço de vários grupos de rock que ganharam o mundo. Gente como os Smiths, o Oasis, o Joy Division – e sua sucedânea, o New Order entre várias outras. Maldade pura também para com os Montgolfier Brothers de Mark Tranmer e do desencarnado vocalista ROGER  QUIGLEY.

Embora tenham existido como banda apenas de 1999 até 2005, os Montgolfier Brothers – que tiveram seu nome como homenagem aos inventores franceses homônimos, mereceriam ser eternizados por terem lançado três trabalhos basilares, que deveriam figurar com louvor em qualquer registro da melhor música rock/pop: “Seventeen Stars”, o trabalho de estreia deles, de 1999, “The World is Flat”, de 2002 e “All my Bad Thoughts” de 2005. Três pérolas da melhor música, infelizmente pouco conhecidas fora de um âmbito muito restrito.

Mesmo não levando em conta sua excelente carreira solo, iniciada em 1969 ou seu belíssimo trabalho à frente da banda At Swim two Birds, bastariam esses registros para homenagear a memória de Quigley, que teve morte súbita em 2020.

Já seu parceiro musical, o escocês Mark Tranmer, continuou a carreira, inicialmente com o projeto instrumental, GNAC, onde realizou vários trabalhos aclamados pela crítica que classificou suas composições como a “trilha sonora para um filme imaginário” e comparou-as às de Michael Nyman, Ennio Morricone, e Michel Legrand. e depois à frente do duo Vetchinsky Settings, agora com James Hackett, lançando em 2019 outro trabalho digno de memória.

Uma dupla de respeito que merece maior reconhecimento.

 

 

Escute     AQUI   na íntegra  o  álbum  “The World is Flat”  com  The Montgolfier Brothers