Do japonês ami, que significa malha, e nuigurumi, que significa boneco de pelúcia; trata-se de uma técnica oriental de fazer bichinhos com pontos de tricô ou crochê, bonecos inanimados constituídos geralmente de formas geométricas, com cabeça e tronco em forma de esfera e membros cilíndricos. Esse criativo trabalho já faz sucesso no Japão há muito tempo, mas foi apenas nos últimos anos que começou a se tornar mais popular no Brasil.

“Sistine (Plucks)”  –  Facta

 

Do japonês ami, que significa malha, e nuigurumi, que significa boneco de pelúcia;  eles fazem parte da ideia de fazer o coração sorrir através da cultura do kawaii, termo que poderia ser traduzido como bonito, terno, adorável e se aplica a amigurumis, moda, aparência e até hábitos e comportamentos.

Trata-se de uma técnica oriental de fazer bichinhos com pontos de tricô ou crochê, bonecos inanimados constituídos geralmente de formas geométricas, com cabeça e tronco em forma de esfera e membros cilíndricos. Esse criativo trabalho já faz sucesso no Japão há muito tempo, mas foi apenas nos últimos anos que começou a se tornar mais popular no Brasil.

A arte de tecer objetos com a técnica do tricô já era utilizada no Japão, desde seu período feudal, onde os samurais serviam-se desta técnica para criar peças de roupas que lhe ajudavam em seu dia a dia. As técnicas de tecelagem japonesas, como o Kasuri e o Shibori, são milenares e muito utilizadas na indústria têxtil.

Com o crescimento da cultura “kawai” os amigurumis ganharam força, e se tornaram febre na década de 80 em conjunto com o surgimento da personagem Hello Kitty. A popularidade desta personagem impulsionou o mercado de bonecos de crochê, e assim foram surgindo inúmeros outros personagens e bichinhos.

Os amigurumis são muito comuns no Japão há décadas, mas em 2003 é que os bichinhos ganharam fama internacional, invadindo também o ocidente.

Os criativos bonecos de aparência fofa geralmente têm a cabeça maior em relação ao corpo. Os amigurumis podem ser utilizados como brinquedos para crianças, mas também são adquiridos para decorar desde o quartinho de um bebê/criança, até a prateleira de um adulto com intuito de colecionar, por exemplo.

Os amigurumis são feitos à mão e geralmente em crochê simples ou tricô; podem ser crochetados por partes para que no final tudo seja costurado, ou  serem crochetados de uma única vez onde, dependendo do modelo, não se faz necessário costura para finalizar a peça. Quando feitos em crochê, os pontos são trabalhados em formato espiral para evitar arremates (remendo).

Utilizam-se agulhas mais finas e linhas específicas, apesar de poderem ser confeccionados com qualquer material. Isso ocorre por várias questões, uma delas é o fato de que agulhas com numerações menores que as indicadas nos novelos, servem para tencionar os pontos, deixando-os mais apertados e evitando que o enchimento siliconado (fibra de silicone usada para “rechear” os bonecos de crochê), fique aparente ou até mesmo saia da peça.

Inicialmente os bonecos amigurumis eram confeccionados com no máximo 15cm de altura, não possuíam feições em sua face, raramente tinham apenas olhos. Eram brinquedos antropomórficos em que as crianças criavam a identificação e os sentimentos que o boneco deveria representar.

Nas décadas de 90 e seguintes os amigurumis se tornaram objetos colecionáveis, de decoração, e em muitas ocasiões de celebração eram dados como presente. Suas formas e dimensões já são bem variadas e com o advento da internet suas técnicas de produção foram difundidas e são facilmente produzidos.

Segundo a tradição japonesa os amigurumis possuem uma “alma”, que o converte em um companheiro e confidente para o seu dono, proporcionando proteção e consolo. Para a criança eles podem representar símbolos de amizade, cumplicidade e companhia, e servem de apoio para o seu desenvolvimento afetivo.

Na primeira infância os amigurumis podem funcionar como as famosas “naninhas”, servindo de objetos lúdicos com o objetivo de transmitir segurança às crianças menores. Os bebês sentem a necessidade de ter por perto objetos familiares, que tragam segurança e que em seu âmago refletem a figura materna, e os amigurumis desempenham esta função enquanto são associados ao colo e aconchego.

PORQUE OS AMIGURUMIS NÃO TEM BOCA?

 

 

 

Historicamente os amigurumis eram confeccionados de forma a não representar emoções definidas. Desta forma o seu dono poderia espelhar em seu boneco as emoções que estivesse sentindo no momento, tendo um companheiro para compartilhar suas sensações. Em um dia de tristeza o seu boneco compartilharia a sua tristeza, e em um dia de alegrias o seu boneco também compartilharia de sua alegria.

Sabe-se, contudo, que esta questão nem sempre é observada por quem produz o amigurumi, e atualmente já são encontrados bonecos com feições bem definidas, o que pode descaracterizar a função primordial do boneco, de companheirismo.