A exposição crescente da criminalidade através da mídia cria um sentimento de insegurança irreal, sem qualquer fundamento racional.

 

 

Na realidade, o principal objetivo da mídia é chamar a atenção do público e obter lucro. Assim, a mídia passa a utilizar expedientes sensacionalistas com fatos negativos como crimes, catástrofes e pandemias, disseminando um sentimento de insegurança no seio social, ocasionando o surgimento da cultura do medo. Ou seja, nem tudo que vimos nos telejornais são as expressões da verdade, grande parte desta informação tem uma intenção do porque ser transmitida e, essa intenção, estará sempre relacionada a um fim lucrativo e dominador social.

 

Medo : o ópio do Povo. - ppt carregarA televisão tenta retratar os fatos de forma a tornar a informação o mais real possível aproximando os acontecimentos do cotidiano das pessoas e fazendo-as crer que aquela situação de risco poderá acontecer a qualquer momento dentro de suas próprias casas, nos seus grupos sociais. Assim, os telejornais propagam informações sensacionalistas através da exploração da dor alheia, do constrangimento de vítimas desoladas e da violação da privacidade de algumas pessoas.

 

Desta forma, mesmo que estejamos mais seguros do que em toda história da humanidade, as pessoas continuam a se sentir ameaçadas, inseguras e apaixonadas por tudo aquilo que se refira à segurança e à proteção.

 

Isso se dá através da “cultura do medo” que tem levado as pessoas a intensificarem suas próprias medidas visando uma suposta diminuição de vulnerabilidade, como a construção de muros e sistemas de segurança, assim como a se isolarem dentro de suas próprias casas, algo que beira a paranoia.

 

Saber que este mundo é assustador não significa viver com medo. Nossa vida está longe de ser livre do medo, assim como de perigos e ameaças, porém, não podemos permitir que o que vimos na TV influencie nossa vida a ponto de pararmos de viver, de guardarmos sonhos que gostaríamos de realizar ou de nos impedir de promover uma mudança.

 

Não devemos nos preocupar com o que ainda não aconteceu, mas procurar sim evitar situações que possam nos colocar em risco e, até mesmo, nos proteger do perigo. Tudo, porém, sem permitir que o medo e a insegurança tome conta de nosso ser e do que somos.

 

MEDO X RESILIÊNCIA – por Marco Orsini | FolhanitAssim, resta a todos nós avaliar aquilo que é transmitido pela mídia, quer seja televisão, rádio, jornais, revistas ou internet tendo sempre em mente a possibilidade de a informação estar sendo veiculada com interesse de grupos políticos e/ou econômicos em nos paralisar com medo para não reagirmos.

 

Assim procedendo e evitando os telejornais sensacionalistas poderemos estancar essa prática perversa e fazermos um futuro melhor, com menos corrupção violência, e crimes hediondos.

 

Agora, se você continuar a dar credibilidade a tudo que vê ou ouve, quando os seus direitos e suas garantias fundamentais forem tiradas, só lhe restará sentar no meio fio e chorar, afinal, você pode ter legitimado tudo isso.

 

 

A cultura do medo no trabalho e na economia - Jornal Tornado

 

 

Raquel do Rosário

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *