Voltando à densidade energética de nossos corpos materiais, observamos que eles são programados para respeitar uma evolução progressiva, assim como a progressão evolucionista dos corpos espirituais; mais uma vez: o micro explica o macro. Porém, observamos também que, no decorrer do uso deste corpo, devido à exposição a energias densas e ao fato de ainda não sabermos lidar com determinadas cargas emocionais, acontece o desgaste dos mecanismos físicos – nossos corpos materiais, assim como os conhecemos.

Física Quântica e Espiritualidade — Equilibrio Entre a Fé e a Ciência. | by  Ametista Onírica | MediumComo os estudos espiritualistas hoje em dia já apontam, o corpo físico foi feito para viver em abundância e saúde, e toda a doença manifestada fisicamente tem origem no campo energético e espiritual que, devido à densidade  e negativismo de suas forças, danificam nossos campos e por consequência, nossos corpos, as transformando em doenças muitas vezes fatais.

Então, até aqui, podemos definir um conceito importante para o que veremos em seguida: os Seres Humanos são divididos, basicamente, entre encarnados e desencarnados. O Seres que são designados a viverem suas experiências no plano dos encarnados precisam de um corpo com maior densidade energética; no entanto, devido à exposição às energias dessa dimensão e plano, esse corpo se desgasta, ou seja, esse corpo é finito, logo essa experiência terá começo – o nascimento físico – meio – o desenvolver da vida – e fim – a morte. Observamos, também, que essa vivência em meio à densidade energética intensificada nos propicia experiências com maior choque energético e emocional e isso causa o aceleramento da nossa evolução física e espiritual.

A partir, então, poderemos compreender como as evoluções sutis do espírito estão correlacionadas com a evolução do Ser Humano encarnado – e vice-versa -. Uma acontece independente da outra, mas favorecem-se simultaneamente.

 

Felipe Campos (Em “Em Busca do além: A Dinâmica da Reencarnação”)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *