Amedeo Clemente Modigliani (1884 —  1920) foi um artista plástico e escultor italiano que viveu parte significativa de sua vida adulta radicado em Paris.

Artista principalmente figurativo, tornou-se célebre sobretudo por seus retratos femininos caracterizados por rostos e pescoços alongados, à maneira das máscaras africanas.

 

CLEMENTE AMEDEO MODIGLIANI « Nostra Italia

 

 

Morreu aos trinta e cinco anos, em condições de extrema pobreza material, vítima de meningite tuberculosa, agravada pelo excesso de trabalho, álcool e drogas.

Amedeo Modigliani foi o quarto filho de Flaminio Modigliani e sua esposa Eugénie Garsin, filha de Isaac e Régine Garsin.

Na infância, Amedeo sofreu de diversas doenças graves – pleurisiatifo e tuberculose -, que comprometeram sua saúde pelo resto da vida e cujo tratamento forçava-o a constantes viagens, até sua mudança definitiva para Paris, em 1906. Também por causa da saúde precária não recebeu educação formal e voltou-se para o estudo da pintura, iniciado na cidade natal, que prosseguiu em Veneza e Florença. Teve uma estreita relação com sua mãe, que lhe deu aulas até que ele completasse dez anos, e começou a desenhar e pintar precocemente, antes mesmo de ir para a escola. Aos catorze anos, durante uma crise de febre tifóide, ele delirava e, em seu delírio, falava que queria acima de tudo ver as pinturas no Palazzo Pitti e nos Uffizi, em Florença. Sua mãe então prometeu a ele que, assim que se recuperasse, ela o levaria a Florença; de fato, não só cumpriu a promessa como permitiu que o filho fosse trabalhar no estúdio de Guglielmo Micheli, um dos pintores mais conhecidos de Livorno, de quem Amedeo recebe as primeiras noções de pintura. No ateliê de Micheli, ele conhecerá, em 1898, o grande Giovanni Fattori, sendo assim influenciado pelo movimento dos Macchiaioli, em particular pelo próprio Fattori e por Silvestro Lega.

Aos 11 anos, Modigliani sofreu um ataque de pleurisia – o primeiro de uma série de doenças que acabou levando à sua morte precoce. Em sua extensa biografia do artista, Meryle Secrest interpretou seu abuso de substância habitual como uma tentativa de esconder sua tuberculose e evitar o estigma associado à doença. A tuberculose na época era incurável e altamente contagiosa e foi uma das principais causas de morte na França. Secrest escreve: “Os bêbados eram tolerados; Portadores de doenças infecciosas não. “

Em 1906, Modigliani transfere-se para Paris e, ao fim de três anos de vida boêmia, executa uma de suas obras mais importantes: O violoncelista, que expôs no Salão dos Independentes de 1909.

Como outros pintores e artistas do seu tempo, viveu a experiência da extrema pobreza. Por meio dos companheiros de arte, conheceu o poeta polaco Leopold Zborowski, que se tornaria seu melhor e mais devotado amigo, além de incentivador e marchand. Em 1917, Zborowski consegue para Modigliani uma exposição individual na Gallerie Berthe Weill. A exposição durou apenas um dia, pois se transformou num escândalo graças aos nus expostos na vitrine da galeria.

Escultura

Amedeo Modigliani (1884-1920), Lunia Czechowska (à la robe noire), 1919 - Alain.R.TruongO encontro com o escultor Constantin Brancusi marcou a carreira de Modigliani, que por um longo período abandonou a pintura pela escultura. Impressionado pelo cubismo, muito influenciado por CézanneToulouse-Lautrec e Picasso, o artista executou nesse período esculturas nas quais se misturam influências da escola de Siena e da arte da África negra, sobretudo das esculturas do Congo e do Gabão.

Nota-se em suas esculturas uma forte influência da arte africana e cambojana, que provavelmente conhecera no Musée de l’Homme. Seu interesse pelas máscaras africanas é evidente no tratamento dos olhos de seus modelos.

A partir de 1912, com o agravamento de sua doença, Modigliani abandona a escultura, concentrando-se apenas na pintura.

Fruto de diversas culturas, amigo de tantos artistas e encontrando-se numa conturbada fase de questionamentos e transições, sua obra entretanto não pode ser considerada filiada a nenhuma escola, sendo toda ela dotada de um estilo próprio e autônomo.

Seus nus, que provocaram escândalo em seu tempo, revelam não sensualidade, mas um desnudamento da alma humana. Seu estilo faz parte de um momento em que a arte pictórica, confrontada à fotografia, lutava para manter seu espaço, seus valores e sua estética.

Seus quadros são enigmáticos, pela simplicidade e genialidade dos traços. Enquanto a maior parte dos artistas inicia um retrato começando pelos olhos, ele fugia do óbvio. Dizemos no mundo das artes que os olhos são a janela da nossa alma. São sinceros e brilham diante de uma paixão ou diminuem diante da tristeza. Dizem muito sobre as pessoas pela energia que transmitem.  Mas, para o artista, o comum não fazia parte de sua vida. Dizem que Modigliani comentava: ‘Quando eu realmente conhecer sua alma, pintarei seus olhos’. Pintou poucos retratos com olhos e até autorretratos estão com imagens vazadas. Pouco antes de morrer, pintou sua amada Jeanne Hébuterne, com olhos azuis maravilhosos.

Modigliani se inspirou em Nietzsche sobre criatividade e sexo. De acordo com o biógrafo Jeffrey Meyers, o espírito iconoclasta de Modigliani foi inspirado por seu profundo interesse na filosofia de Friedrich Nietzsche. Modigliani recusou a identificar-se com os movimentos de arte de seu tempo e acreditava que o sofrimento era primordial para o crescimento criativo de um artista. Sua adulação para a ideologia do filósofo alemão levou-o mesmo a adotar uma similar marca de entusiasmo em relação ao sexo e seu poder regenerativo.

A grande musa de Amedeo foi Jeanne Hébuterne, com quem teve uma filha, Jeanne, em 1918. Complicações na saúde fazem o pintor viajar para o sul da França com a esposa e a filha, a fim de recuperar-se. Retorna a Paris ao final de 1918.

Na noite de 24 de janeiro de 1920, aos 35 anos, Modigliani morre de tuberculose. Foi sepultado no famoso Cemitério do Père-Lachaise, em Paris.

No dia seguinte à morte do companheiro, Jeanne, grávida de nove meses, suicida-se, atirando-se do quinto andar de um edifício.

 Embora seu legado desfrute imenso sucesso póstumo, ele levou uma vida de miséria.

 

Amedeo Modigliani Nude on a Blue Cushion Giclee Canvas Print Paintings Poster Re

Amedeo Modigliani, Nude on a Blue Cushion, Italian, oil on linen (Chester Dale Collection)

O arquetípico do artista faminto deve sua reputação tanto a Vincent van Gogh como a Modigliani. Como o príncipe dos vagabundos, Modigliani suportou o empobrecimento até suas  últimas horas; Ele era conhecido por trocar obras de arte para refeições em restaurantes. Ironicamente, o colecionador Steven A. Cohen comprou o Reclining Nude de Modigliani com Blue Cushion pela quantia de 118 milhões de dólares em 2012 – um dos preços mais altos pagos por uma pintura.

 

 

Amedeo Modigliani: O Gênio Não Reconhecido - Art 2021

 

Fonte: Wikipedia Amedeo Modigliani

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *