O  “Bebop” surgiu em 1945.

Surge em contraponto ao Swing Nos “bebops” os solistas são as grandes sensações, bem como conjuntos menores. As síncopas são as caraterísticas rítmicas desse subgênero do jazz.

Para executar um “bebop” é necessária uma técnica boa e instrumentistas bons e competentíssimos,  já que é cheio de ângulos e saltos, por vezes até aquelas dissonâncias que alguns têm dificuldade em apreciar.

O bebop privilegia os pequenos conjuntos, como os trios, os quartetos e os solistas de grande virtuosismo. Talvez o elemento que sofreu a maior modificação dentro da revolução bebop tenha sido o ritmo, com a proliferação de síncopas e de figuras rítmicas complexas. O fraseado é flexível, nervoso, cheio de saltos que exigem uma técnica instrumental muito desenvolvida.

Já o Hard Bop é dito por alguns críticos como uma evolução do “bebop”, mas seu nascimento vem de movimentos opostos.

Miles Davis: So What | No princípio era o bebop - Jornal TornadoUm dos estilos mais famosos ligados também ao Bebop é o Cool Jazz, que teve como fundador o exímio trompetista Miles Davis. Em 1949 Miles Davis faz o Cool Jazz ganhar o mundo com seu disco “Birth of the Cool”. É um estilo de jazz mais introspectivo, mas ainda podem ser encontradas síncopes e bons solos. O Cool Jazz ainda gerou outros estilos mais tarde.

Além dos fundadores Charlie Parker e Dizzy Gillespie, encontramos entre os expoentes do bebop jazzistas que  estão entre os maiores e mais conhecidos músicos ligados àquilo que a maioria das pessoas identifica como sendo o “jazz”: John Coltrane,  Thelonious Monk, Charles Mingus, Sonny Rollins, Bill Evans, Dexter Gordon, Cannoball Adderley, Art Blakey, Bud Powell, Wayne Shorter, Oscar Peterson, Lee Morgan, Horace Silver, Coleman Hawkins, Freddie Hubbard, Clifford Brown, Winton Marsalis, Gerry Mulligan, Art Farmer, Ornette Coleman, Milt Jackson, Max Roach, Paul Desmond e Lester Young.

 

 

 

 

Fonte Alternativa: Wikipedia