Algo que se depreende da leitura deste artigo        ( https://www.tribunadiaria.com.br/ler-coluna/524/dominacao-e-submissao.html ), e certamente é apenas 1% das múltiplas ilações que podem ser tiradas após uma leitura atenta, é que:

1 – Este plano é antiquíssimo, como talvez a maioria já saiba, foi elaborado por cérebros inteligentíssimos e perversos, já nasceu desde sua origem sob a Inspiração e o Domínio das Trevas e do Logro usando como armas a sedução insidiosa e pérfida e sempre teve sua fundamentação e os resultados práticos comprovadamente enganosos, mas inegavelmente bem sucedidos em seus objetivos finais sombrios, em vários pontos do globo terrestre.

A elaboração desse plano – uma autêntica Ideologia das Trevas –  e a intenção de colocá-lo em prática provavelmente data do primeiro quarto do século passado. E, graças ao sucesso obtido, vem sendo reaproveitado, repaginado e incrementado metódica e obstinadamente com doses cada vez mais venenosas de perversidade, através de várias fontes, em momentos distintos e, sobretudo, em pontos específicos e bem determinados do hemisfério ocidental – América do Norte e Europa Ocidental num primeiro momento, África e Américas, do Sul e Central, no seguimento – e sempre com uma coordenação centralizada, mas não necessariamente a mesma no decurso desse século de existência e quase sempre com 100% de êxito na consecução de seus objetivos setoriais; inicialmente, o controle central foi exercido pela antiga União Soviética e foi marcado por aquilo que foi universalmente conhecido como “Guerra Fria” até ocorrer sua dissolução, simbolicamente delimitada em seus momentos finais pela Queda do Muro de Berlim, quando a influência do bloco soviético no tabuleiro da Geopolítica esmaeceu, aparentemente tendo chegado ao ocaso. O bastão de controle foi retomado, então, pelo Bloco Sino-Russo – naquilo que nos primeiros instantes foi apontado como uma reedição ampliada da Guerra Fria -, com a ascensão de Putin (um antigo dirigente da KGB e, portanto, familiarizado com os terríveis métodos gramcistas desse Plano), na Rússia, a partir de um momento bem definido, e de Xi Jinping, em 2012, na China, também bastante sintonizado com os mesmos métodos e como corolário de sua política expansionista e de confronto com a hegemonia global americana e foi finalmente burilado e testado em seu atual estágio, até ao momento com amplo sucesso, exatamente no coração de seu objetivo final, os Estados Unidos, como pudemos acompanhar no desenrolar dessas últimas eleições americanas. É possível que venha sofrendo incorporações acessórias, mas significativas e sempre mais letais e maléficas ao longo dos tempos, e tenha tirado partido – sempre com intuitos frios e perversos, como bem salienta o artigo que deu origem a esses comentários  – ou até provocado eventos calamitosos em seu benefício, como é o que diz respeito ao que concerne à atual “pandemia” de Covid, na medida em que foi adaptado e reutilizado oportunisticamente por forças conjunturalmente aliadas em alguns objetivos (mas, provavelmente, não necessariamente em todos), como é o caso das Big Techs e dos mega- capitalistas ocidentais, como George Soros, os Roosevelt, e Bill Gates, naquilo que é vulgarmente conhecido como Nova Ordem, todos unidos no mesmo objetivo final (ou similar) de quebrar a hegemonia americana e de seus aliados e substituí-la pelo seu próprio comando hegemônico, sob as suas próprias diretrizes. E é aí que existem profundas e aparentemente incontornáveis divergências entre cada uma dessas frentes agressoras.

Saliente-se que após o sucesso atingido na América, essas mesmas táticas oportunistas com relação à “pandemia” foram direcionadas e intensificadas no território nacional, também com inteiro sucesso e adquiriram uma coloração triste e inegavelmente nossa, como todos temos acompanhado.

Escusado será reprisar mais uma vez como será o mundo dominado por qualquer uma dessas frentes agressoras, não importa qual a diretriz que preponderar. Se isso de fato acontecer, seja qual for o bloco a assumir a nova hegemonia, o futuro será sombrio para aquilo que hoje conhecemos como Mundo Livre: ou seja, para todos nós, ocidentais!

É essa terrível perspectiva que estende suas garras sobre nós e que muitos em sua cegueira, infantilidade, conveniência ou por puro fanatismo ideológico ainda não conseguiram entender. Se os exemplos que podemos colher pelos países que caíram ante o Poder dessa verdadeira Legião das Trevas – Coreia do Norte, Cuba, Nicarágua, Argentina, a maioria dos países da África, etc… -, não forem suficientes para aterrorizar e abrir os olhos de alguns, sem dúvida a internet hoje esclarece com múltiplos dados e fatos a quem quiser olhar e queira de fato VER e analisar friamente o que ocorre a quem cai sob a sedução inicial e o jugo desses agentes das Trevas: para todos esses restará viver sob o estigma da opressão e da miséria, mesmo que imagine ter saído vencedor nessa verdadeira guerra a nível quase mundial que hoje todos travamos. Se achar pouco, espere para ver. Sem dúvida, irá se culpar pela eternidade por não ter feito agora a sua parte para tentar evitar esta calamidade. E, sobretudo, por ter arrastado milhões de outros a um futuro tão sombrio.

2 – Contudo, e apesar de tudo isso, salta à vista, que o Marxismo em sua concepção econômica clássica nem de longe passa perto atualmente de ser o objetivo final deste plano maquiavélico; pelo menos não a partir de um determinado ponto da execução do plano, e serve apenas como mais uma “ferramenta útil” tremendamente eficaz e incluída no arsenal de moléstias, deturpações e perversões trazidas por essas forças; a concepção Marxista, e sobretudo a Gramcista, e os métodos espúrios por ela utilizados para se perpetuar no Poder apenas casou – e continua casando – extraordinariamente bem com os objetivos perseguidos pelos atuais “cérebros” desse Plano, que, atualmente, não responde apenas a uma central única. E é apenas isso. Tudo o mais são fogos de palha, usados simplesmente para iludir e conturbar.

Uma conclusão óbvia e imediata dessa afirmação é que a divisão entre “direita” e “esquerda”, e até entre as concepções de “capitalismo” ou de “comunismo” no sentido econômico nada representam para as forças agressoras; são apenas estratégias úteis por eles adotadas para distrair e galvanizar as massas, criando oposição e inimizades, e jogando cinza nos olhos de todos para disfarçar o que é realmente essencial e desviar o foco dos reais objetivos deles, criando conflitos que só os beneficiam. Por isso, é pura perda de tempo tentar provar ou defender a maior valia de uma concepção ideológica ou de outra, ou imaginar que isso possa ter qualquer importância naquilo que de fato conta e está em jogo. Brincadeira para crianças birrentas, na verdade.  Porque de fato eles agradecem e batem palmas de satisfação quando se sentem atacados dessa forma inadequada e inócua, pois, na verdade, isso nada representa para eles. É esse o objetivo deles: despistar, disfarçar e criar conflitos por algo que não os afeta. É absolutamente inútil perder tempo com algo assim!

Isso fica particularmente patente no caso do Brasil. É risível alguém imaginar que Lula, Ciro Gomes e até FHC – que foi um Socialista de formação, é fato, mas que ao longo do tempo se afastou consideravelmente dessa inclinação, e cujo Governo, na prática, na maioria dos pontos, se afastou inteiramente dos preceitos canônicos marxistas é prova cabal desse distanciamento – e seus discípulos e coligados, como Moro e Dallagnol, por exemplo, sejam marxistas. Não são. Para nem falar em figuras como Luciano Huck, Dória ou Mandetta, apenas para mencionar aqueles em destaque atualmente. Comunistas? Estão de brincadeira? Ridículo imaginar isso. Ou que o Congresso brasileiro seja formado por personalidades majoritariamente “esquerdistas”! Longe disso. Se nem esses blocos agressores na realidade praticam mais o Marxismo em seus aspectos econômicos, há muito tempo. Muito pelo contrário. Só mesmo em países atrasados da África e das Américas, do Sul e Central ainda é possível plantar tal ideologia em seus aspectos mais radicais, e encontrar quem defenda fanaticamente uma via econômica que já foi condenada por eles próprios. E eles sabem disso.

Porque, na verdade, atualmente, todos esses citados têm apenas um detalhe em comum: com a conivência criminosa e comprada de grande parte da mídia, o suporte de um Judiciário aparelhado por eles – com todas as ramificações degeneradas que isso causou – e o apoio “útil e conveniente” dos formadores de opinião do meio artístico e universitário e de parte da intelectualidade nacional e da legião de “bobos úteis” que eles cooptam e lobotomizam, usando iscas sedutoras, melífluas e deturpadas, todos eles desejam preservar o “sistema”, (que ainda respira vivíssimo, diga-se de passagem) e lutam pelo retorno de tal “sistema” como forma absoluta de Governo, de uma forma que HOJE todos conhecemos sobejamente como funcionava e como era alimentado e se perpetuava, pois já foi suficientemente exposta. Apenas isso. Descrever novamente e repetidamente o que ocorre numa lixeira quando mexemos inutilmente em carniça e em detritos podres, apenas irá nos sujar a nós. E, em nome disso, todos eles formam uma frente única contra Bolsonaro, que representa uma séria ameaça à pretensão de todos e o único obstáculo ao objetivo de TODOS eles. Resumindo: todos eles tentam derrubar Bolsonaro a qualquer custo. E eu repito enfaticamente: A QUALQUER CUSTO!

Tente imaginar ou adivinhar o que significa “a qualquer custo” na prática e se coloque no lugar desse homem. E comece a rezar… Se for ateu e despreze orações, chegou a hora de repensar seus credos, então. Não dizem que o ateu mais renitente começa a rezar para Deus quando se vê dentro de um avião em chamas caindo? Pois é!

Desses dois pontos centrais – pelo menos para nós, brasileiros – fica claro, por todos os motivos do mundo, (tanto pelos citados no ítem 01) quanto no 02), que Bolsonaro, assim como foi Trump em outro contexto  (e rezemos para que ainda seja) na América, representa uma séria ameaça à pretensão de todos esses trevosos e o único obstáculo à ambição e à concretização do objetivo dessa frente agressora múltipla, interna e externa. Um real e verdadeiro Exército das Trevas.

Resta-nos, pois, lutar de TODAS as formas possíveis para defender os alicerces e as bases da Ordem no mundo melhor e menos assolado pela corrupção e pela inversão, pela bandidagem e pela deturpação grotesca de valores, no qual nós que ainda estamos sãos acreditamos. Sob a pena de ter nossa Liberdade totalmente cerceada e de vivermos os projetos autoritários, megalômanos e sociopáticos de uns, ou o retorno puro e simples à corrupção desenfreada, à bandidagem, à impunidade e à estagnação como nação que já conhecemos e vivemos durante mais de trinta anos, quando estávamos sob o domínio total dos outros.  Tente então ter um mínimo de honestidade intelectual para recordar e nos evite o sofrimento e o vexame de ter que reviver isso.

Creio que quem fez o vídeo do link abaixo é um cômico hilário, de tão óbvio que ele quis ser. Porque é isso aí que provavelmente o vídeo pretende: exemplificar o óbvio. “Nunca imaginei que lutar contra a honestidade fosse tão difícil”, afirma o figurante, às alturas tantas. De partir a cuca de rir! Essa é ótima! A gente merece assistir a uma piada dessas. Nós merecemos ter que assistir a um vídeo tão óbvio como esse. E, de quebra, compartilhá-lo e ter que engolir esse óbvio ululante

 

 

(Paulo Monteiro)

https://www.facebook.com/geruza.tobias/posts/3797484900371965