,

Avicena

 

 

Abu Ali Huceine ibne Abdala ibne Sina (persa پورسينا Pur-e Sina – “filho de Sina”; Afshana,( 980 — Irã, 1037), conhecido como Ibn Sīnā ou por seu nome latinizado Avicena, foi um polímata persa que escreveu tratados sobre variado conjunto de assuntos, dos quais aproximadamente 240 chegaram aos nossos dias. Em particular, 150 destes tratados se concentram em filosofia e 40 em medicina.

 

As suas obras mais famosas são o “Livro da Cura”, uma vasta enciclopédia filosófica e científica, que teve um impacto decisivo sobre a escolástica europeia, especialmente sobre Tomás de Aquino, e o “Cânone da Medicina”, que era o texto padrão em muitas universidades medievais, entre elas a Universidade de Montpellier e a Universidade Católica de Leuven, ainda em 1650. Ela apresenta um sistema completo de medicina em acordo com os princípios de Galeno e Hipócrates.

Suas demais obras incluem ainda escritos sobre filosofia, astronomia, alquimia, geografia, psicologia, teologia islâmica, lógica, matemática, física, além de poesia. Ele é considerado como o mais famoso e influente polímata da Era de Ouro Islâmica.

De sua vida pessoal, o perfil que chegou até nós é que Avicena era um jovem muito precoce, e com dez anos de idade, já havia memorizado o Alcorão. Aos dezesseis, já dominava várias ciências, como física, matemática, lógica e metafísica. Logo começou o estudo e a prática da medicina, e antes de completar vinte e um anos de idade, escreveu seu famoso “Cânone”.

Avicena serviu sucessivamente a vários soberanos persas como médico e conselheiro, viajando com eles de um lugar a outro, e apesar de conhecido pelo seu perfil sociável, dedicou um bom tempo aos trabalhos literários, dos quais são exemplos concretos os cerca de cem volumes que escreveu. Destacam-se ainda entre os seus trabalhos, os extensos comentários sobre a obra de Aristóteles, e A Libertação (al-Najat).

A filosofia de Avicena é uma tentativa de construir um sistema coerente e abrangente que esteja de acordo com as exigências religiosas da cultura muçulmana. Como tal, ele pode ser considerado o primeiro grande filósofo islâmico. Seu trabalho é frequentemente visto como parte integrante das tradições aristotélica e neoplatônica.

Um princípio favorito de Avicena, que é citado não só por Averróis, mas também pelos escolásticos, e especialmente por Santo Alberto Magno era “intellectus in formis agit universalitatem”  ou seja, a universalidade das nossas ideias é o resultado da atividade da própria mente. Este é um princípio a ser entendido no sentido realista, não no nominalista. Para Avicena o significado é que, embora existam diferenças e semelhanças entre as coisas independentemente da mente, a constituição formal de coisas no campo da individualidade, universalidade genérica, universalidade específica, e assim por diante, é trabalho da mente.

Outras importantes contribuições suas são encontradas nas áreas das ciências naturais, teoria musical e matemática. A influência de Avicena na Europa medieval começou por meio das traduções de suas obras realizadas primeiramente na Espanha. Sua metafísica tornou-se base para discussões sobre a filosofia islâmica e teologia filosófica. No início do período moderno no Irã, suas posições metafísicas começaram a ser abordadas sob um diferente e criativo aspecto pelos pensadores da escola de Isfahan, em particular Mulla Sadra.

Bibliografia:
RIZVI, Sajjad H. Avicenna (Ibn Sina) (c.980—1037) (em inglês). Disponível em: < http://www.iep.utm.edu/avicenna/ >. Acesso: 17/02/13.
KNIGHT, Kevin. Avicenna (em inglês). Disponível em: < http://www.newadvent.org/cathen/02157a.htm >. Acesso: 17/02/13.

Texto originalmente publicado em https://www.infoescola.com/biografias/avicena/

Fonte Complementar : Wikipédia  Avicena

 

0 respostas

Deixe uma resposta

-
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *