,

OS PRIMEIROS RUMORES DA PRIMAVERA (Poesia de Paulo Monteiro)

Quando  estaremos  preparados  para  acolher Os Primeiros Rumores da Primavera?       Lá fora o sol derrete os derradeiros flocos de neve E cristaliza recordações translúcidas nas folhagens Em fugazes…

Hilda Hilst (* 1930 - + 2004)

Leia as poesias e a biografia dessa brasileira genial e "marginal" ( no que concerne aos padrões estabelecidos, obviamente...) escutando sua alma-gêmea musical:  Cássia  Eller     23 “Sobrevivi à morte sucessiva…
,

O ANEL DE VIDRO - Poesia de Manuel Bandeira

      Aquele pequenino anel que tu me deste, — Ai de mim — era vidro e logo se quebrou Assim também o eterno amor que prometeste, — Eterno! era bem pouco e cedo se acabou. Frágil penhor que foi do amor…
,

ERÓTICA É A ALMA - Prosa Poética de Fabíola Simões

Apesar de não ser propriamente uma poesia, pela delicadeza e pela forma, seria aquilo que denomino prosa poética. Por isso o enquadrei na seção de Poesias.     Adélia Prado certa vez escreveu: “Erótica é a…
,

DIFÍCIL SER FUNCIONÁRIO - POESIA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO

      Difícil ser funcionário Nesta segunda-feira. Eu te telefono, Carlos Pedindo conselho. Não é lá fora o dia Que me deixa assim, Cinemas, avenidas, E outros não-fazeres. É a dor das coisas, O luto…
,

O Caminho Não Percorrido - Poesia de Robert Frost

        Num bosque, em pleno outono, a estrada bifurcou-se, mas, sendo um só, só um caminho eu tomaria. Assim, por longo tempo eu ali me detive, e um deles observei até um longe declive no qual, dobrando,…

A FÚRIA DA LUA (Luna Irae) - Poesia de Cláudio Fonseca

  A FÚRIA DA LUA (Luna Irae) Este é o luar magnético dos loucos, dos assassinos, dos ventos que nas ruínas ... uivam seus violinos. Há nestas horas, mutantes. Há um banquete encarnado. Corpos que pendem azuis, enforcados. Este…

A VERDADE DIVIDIDA (Poesia de Carlos Drummond de Andrade)

  A  VERDADE  DIVIDIDA       A porta da verdade estava aberta mas só deixava passar meia pessoa de cada vez. Assim não era possível atingir toda a verdade, porque a meia pessoa que entrava só…

INTENSAMENTE (Poesia de Paulo Monteiro)

INTENSAMENTE       Se acaso a paixão atracar como nau A atracar-te a jusante Levar-te de roldão Não ices amarras Não subas à mezena Não te escondas no porão   Se perpassar como a brisa do campo A inebriar-te…

MÁSCARAS (Poesia de Paulo Monteiro)

  "The Pride Parade" de Don McLean, 1972     M Á S C A R A S   Odeio o logro de enternecidos sorrisos Doces lábios de mel, línguas de chacal E o pálido sol do amanhã sempre igual A banhar a soleira…