Apesar de ser cinéfilo assumido, não sou um profundo conhecedor de cinema. Diria até que apesar de ser cinéfilo apaixonado por cinema, não tenho a menor pretensão de entender da técnica cinematográfica. Minha lista, portanto, reflete apenas uma escolha pessoal e privilegia simplesmente os filmes que maior impacto me causaram no decorrer da minha vida. Apenas isso! Sem qualquer outra pretensão.

 

21 – Dersu Uzala  (1975)  Akira Kurosawa com Yuri Solomin e Maksim Munzuk

Talvez o filme mais humano de todos o que o grande diretor nipônico realizou; um manifesto ecológico de amor à vida e à natureza contando a história de uma bela e improvável amizade entre um oficial do governo soviético e um nativo mongol que vive em comunhão com a natureza, nas florestas. Fascinante!

 

 

 

 

 

22 – A Estrada da Vida  (La Strada)  (1954)  Federico Fellini com Anthony Quinn e Giulietta Masina

Um clássico do neorrealismo italiano, que retrata a Itália do pós-guerra, decadente e pobre e é uma das grandes obras-primas de Federico Fellini, o que já fala da beleza do filme. A trilha sonora é do compositor Nino Rota, habitual colaborador de Fellini

 

 

 

23 –  Era uma Vez na AméricaEra uma vez na América (1984) de Sergio Leone   com Robert de Niro e James Woods

Era uma Vez na América é a última parte da trilogia feita pelo diretor Sergio Leone sobre a América. Os demais filmes foram Era uma Vez no Oeste (1960) e Quando Explode a Vingança (1972). Um épico sobre o gangsterismo e sobre a essência do ser humano com trilha inesquecível do grande Ennio Morricone.

 

 

 

24 – Rastros de ÓdioRastros de Ódio (The Searchers)  (1956)  de John Ford com John Wayne, Jeffrey Hunter e Natalie Wood

Um dos grandes filmes de John Ford e com certeza meu western favorito. Emocionante e com imagens inesquecíveis.

 

 

 

25 – Rebecca, uma mulher inesquecível (1940), Alfred Hitchcock com Laurence Olivier e Joan Fontaine

Rebecca, A Mulher Inesquecível foi o primeiro filme rodado pelo diretor Alfred Hitchcock em Hollywood e foi também o único dirigido por ele que ganhou o Oscar de melhor filme. O roteiro do filme baseou-se no romance homônimo escrito por Daphne Du Maurier, que fora publicado em 1938.

 

 

 

26 – O Homem Que Não Vendeu Sua Alma (A man for all seasons)  (1966), de Fred Zinnemann com Paul Scofield, Robert Shaw e Leo McKern

Fred Zinnemann voltou ao seu tema preferido, o do homem que fica sozinho por suas convicções, ao filmar a tragédia de Sir Thomas More e com este drama histórico recebeu seu segundo prêmio Oscar como Melhor Diretor. O filme também ganhou o Oscar de Melhor Filme, em 1967

 

 

 

27 – As Pontes de Madison (1995)  de Clint Eastwood com Clint Eastwood e Meryl Streep

Dois dos mais premiados artistas do cinema em cena, dividindo suas histórias em um belíssimo filme, As Pontes de Madison é extremamente tocante; a cada cena conseguimos acompanhar o andamento do romance do par central sempre com uma emoção crescente. Sensível e delicado.

 

 

 

28 – Myfairlady.jpgMy Fair Lady (1964), de George Cukor com Rex Harrison e Julie Andrews

Esse premiadíssimo musical (ganhou o Oscar desse ano e vários outros prêmios) é a adaptação cinematográfica do já premiado musical da Broadway adaptado do livro de 1913 George Bernard Shaw,   Pygmalion

 

 

 

29 – Lawrence da Arábia (1962), David Lean com Peter O’ Toole, Omar Sharif, Alec Guiness

Lawrence da Arábia tem figurado constantemente em listas dos maiores de todos os tempos, sendo incluído em todas as listas de melhores filmes desde então, e foi selecionado pelo American Film Institute como um dos 10 maiores filmes da história do cinema estadunidense, sendo considerado o maior do gênero épico.

O argumento do filme baseia-se na biografia de T.E. Lawrence (1888–1935) descrita no seu livro Sete Pilares da Sabedoria. O filme explora a excentricidade e a personalidade enigmática de Lawrence.

 

 

 

30 – Pulp Fiction   (1994)  de Quentin Tarantino com John Travolta, Samuel L. Jackson e Uma Thurman

Julgo que é possível assistir 50 vezes e ser impossível enjoar de assistir a  Pulp Fiction do Quentin Tarantino, pois parece que a cada ano se torna mais clássico e possui mais adeptos, essa obra prima cinematográfica, inovadora e revolucionária.

 

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *