O ESTRESSE E A ESCOLHA PROFISSIONAL

 

Ver a imagem de origem

 

Há alguns anos, não se falava tanto em estresse quanto atualmente. Hoje, o assunto tem espaço garantido em diversos livros, pesquisas e matérias jornalísticas e, por isso mesmo, se disseminou entre a população, que acredita ser esse o vilão dos nossos tempos.

O estresse nada mais é do que uma reação do organismo, com componentes físicos ou psicológicos, desencadeada quando o indivíduo se confronta com uma situação  que, de um modo ou de outro, o irrite, amedronte, excite ou confunda.

Contudo, verificou-se que não são somente as situações consideradas ruins, mas também as boas, que desencadeiam reações de estresse. A ocorrência varia e depende do quanto o indivíduo foi afetado. Um pouco de estresse proporciona um movimento saudável do organismo, motivando-o para a ação, dando ânimo e energia ao ser humano, de modo que haja energia para lidar com as situações mais diversas que surgem ao longo do dia-a-dia. Sem ele, na sua devida dose, a vida seria muito monótona.

Mas quando o estresse atua por longo período ou é vivenciado de maneira muito intensa, o organismo precisa despender muita energia – o que provoca um desequilíbrio – e pode tornar-se vulnerável a doenças. O estresse muitas vezes é causado por processos naturais que ocorrem em nosso cotidiano cercado de escolhas, situações que exigem posicionamento individual e que necessitam de uma tomada de atitude em detrimento de outras. E, quando escolhemos, não o fazemos por mero acaso, mas baseados nas percepções e nos valores que possuímos internalizados e que nos foram transmitidos por meio das trocas sociais estabelecidas com o contexto do qual somos integrantes.

Diante de determinadas etapas do desenvolvimento humano, a necessidade de escolha torna-se mais complexa e fundamental, às vezes até para a sobrevivência humana. Além disso, as opções vêm acompanhadas de uma série de desejos externos ao indivíduo, muitas vezes contrários aos seus próprios. Assim, pode ser na escolha profissional, na decisão de se casar, ter filhos ou mudar de país em busca de melhores condições de vida. No caso do adolescente, por exemplo, como se não bastasse estar vivendo uma das fases mais difíceis de seu desenvolvimento, ainda precisa tomar a decisão sobre uma carreira profissional.

A escolha profissional torna-se mais complexa por consistir em uma decisão que vai nos lançar  em um projeto de futuro. Esse momento é acompanhado por um definitivo adeus à saudosa infância e pela consciência de estar transitando entre os conflitos inerentes à fase de adolescência e a maturidade da fase adulta.

A escolha livre, consciente e segura acerca da profissão é fundamental, pois, por meio dela, o jovem será capaz de desenvolver suas aptidões, dar fluxo à criatividade, realizar-se no trabalho e obter com isso o reconhecimento social e pessoal.

Mas, para muitos, a questão “escolher” não é sinônimo de liberdade. Existem vários indivíduos que se aprisionam no estresse gerado pela fase natural de escolha e não conseguem efetuá-la por estarem sempre envoltos pelas decisões dos outros ou por nunca terem conseguido a oportunidade concreta para tanto. Ao mesmo tempo, é vital lembrar que não escolher já é uma escolha, que, no entanto, pode gerar conseqüências mais estressantes do que tomar uma decisão consciente e de acordo com seus desejos e aptidões.

Ao adolescente cabe o respeito à sua singularidade e a busca daquilo que lhe proporcione bem-estar, para que se evitem futuros problemas de identidade, pois, se alguém não se identifica com aquilo que faz, poderá trabalhar apenas condicionado às demandas externas ou, até mesmo, ser acometido por problemas físicos e psicológicos decorrentes da sua insatisfação profissional.

Diante dos grandes desafios que a escolha implica, um caminho bem iluminado para quem busca auxílio passa pelo trabalho focalizado no estresse gerado nessa fase e pela orientação profissional.

 

ALESSANDRA  MARTINEZ é Psicóloga, Mestra em Psicologia Clínica, sócia-fundadora da Associação Brasileira de Estresse e coordenadora do curso de Psicologia na Universidade Anhembi Morumbi

0 respostas

Deixe uma resposta

-
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *