Resenha do Filme de Cristopher Nolan: DUNKIRK

DUNKIRK

 

Resultado de imagem para dunkirkFilme baseado na história da Operação Dínamo, que conseguiu resgatar mais de 330 mil homens da cidade que dá nome ao filme, durante a Segunda Guerra Mundial. A operação envolvia a retirada da Força Expedicionária Britânica e de outras tropas aliadas do porto de Dunkirk, cercado pelas forças nazistas, que naquele começo de guerra já invadia os Países Baixos e o Norte da França. Enquanto a liderança do exército inglês calculava que apenas 25% da FEB conseguiria sair do cerco, a operação conseguiu tirar a salvo de Dunkirk mais de 330 mil homens das forças da França, do Reino Unido, da Bélgica e da Holanda.

Dirigido por Cristopher Nolan, o incensado diretor de “Interstellar” e da Trilogia “The Dark Knight”, que  é visto ´pela crítica especializada ao mesmo como um visionário e um conservador, um autor popular e culto. Sua posição de “outsider dentro do sistema” faz com que a imprensa recorra a hipérboles absurdas para descrevê-lo: enquanto os britânicos o comparam a Stanley Kubrick, círculos franceses o reduzem a um artesão de obras redundantes, nas quais o som repete a imagem.

Resultado de imagem para dunkirkComo proposta visual, Dunkirk é excelente. O diretor tem plena consciência dos ângulos, lentes e movimentos de câmera adequados para provocar a máxima experiência de tensão. O cenário da guerra é captado de maneira ao mesmo tempo grandiosa, pela amplitude das praias, mares e céus, e também intimista, por se focar em dramas humanos pontuais, silenciosos, envolvendo a vida de anônimos.

Ao invés de captar as cenas com distância contemplativa, a câmera se posiciona no meio da ação, entre os soldados espremidos na areia ou no fundo do mar, quando um navio explode. A imersão é tão eficiente que relembra a capacidade do cinema em 2D de explorar sensações tão bem quanto qualquer 3D. Paralelamente, a trilha sonora de Hans Zimmer, com seus violinos tensos, consegue compor uma melodia convergente com as explosões e os motores de avião, a ponto de se tornar difícil separar música de ruídos. Cada enquadramento, cada movimento, cada som é muitíssimo bem pensado e executado.

Resultado de imagem para dunkirkO projeto também impressiona pela ousadia narrativa e comercial. Nolan cria uma história dividida em três vertentes, cada uma com um protagonista: o garoto Tommy tentando fugir da praia, o patriota Dawson (Mark Rylance) indo voluntariamente à batalha, e o piloto Farrier (Tom Hardy) tentando destruir aviões inimigos. A trama demora em conectá-los e não revela imediatamente a ambiciosa relação de temporalidade entre os três segmentos. O resultado é um projeto sem protagonismo definido, com poucos atores famosos, em trajetória não linear, e que não perde tempo explicando particularidades da guerra.

Muitos críticos enxergaram também no filme uma parábola da defesa dos valores ocidentais – capitaneados pela Inglaterra – bombardeados pela barbárie e também uma alusão ao Brexit inglês. Mas a verdadeira mensagem do filme é passada nas cenas finais quando os civis ingleses atenderam em massa ao chamado patriótico de resgate dos seus soldados e com isso salvaram os valores ocidentais da destruição. Fica a grandiosa mensagem de que tais valores só serão de fato preservados pela participação pessoal de cada um de nós.

 

Crítica em grande parte tirada do artigo assinado por Bruno Carmelo para o site Adoro Cinema

1 responder
  1. Ana Costa
    Ana Costa says:

    Não é um dos meus gêneros preferidos, mas a historia foi muito interessante. Christopher Nolan como sempre nos deixa um trabalho de excelente qualidade, sem dúvida é um dos melhores diretores que existem, a maneira em que consegue transmitir tantas emoções com um filme ao espectador é maravilhoso. Dunkirk é um filme com un roteiro maravilhoso. É um filme sobre esforços, sobre como a sobrevivência é uma guerra diária, inglória e sem nenhuma arma. Aqui: https://br.hbomax.tv/movie/TTL612333/Dunkirk compartilho os horários das próximas transmissões, é uma produção que vale a pena do principio ao fim.

    Responder

Deixe uma resposta

-
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *