Rowland S. Howard (1959-2009)

 

Um tanto ou quanto tardiamente – já que o álbum foi lançado em Outubro de 2009 e este verdadeiro “guitar hero” sucumbiu ao câncer em Dezembro passado, logo após o lançamento do álbum – mas de alguma forma uma homenagem absolutamente necessária é mister lançar luz tanto sobre este belo e derradeiro trabalho do australiano Rowland S. Howard, quanto sobre a memorável obra discográfica por ele deixada ao longo de 50 anos de vida.

Nascido em Melbourne (Australia), esse excelente guitarrista começou a fazer história já aos 16 anos quando compôs a canção “Shivers”, como membro do grupo Young Charlatans, mas foi quando se uniu ao grupo The Birthday Party, do conterrâneo famoso Nick Cave, que Rowland se notabilizou, principalmente quando o grupo se mudou da Australia para Londres em 1980 e, posteriormente, para Berlim, ganhando visibilidade mundial com a sua sonoridade marcante, com influências que iam dos Stooges a Jacques Brel e também graças a uma série de shows incendiários que muitas vezes geravam violência tanto dentro quanto fora dos palcos.

Howard’s tocava sua guitarra de forma única, uma colisão incrível de blues, feedback, brutalidade e seis cordas que o marcaram como um verdadeiro e original guitarrista com enorme influência sobre gerações futuras. Após a transformação do Birthday Party em The Bad Seeds, mais do que nunca um veículo para o talento imenso de Cave, Rowland passou a década de 90 formando outras bandas e colaborando com outras figuras da cena roqueira, tais como Nikki Sudden, Lydia Lunch e novamente com os Bad Seeds de Nick Cave, com quem colaborou no álbum “Let Love In” de 1994. Pop Crimes, é o segundo trabalho de uma carreira solo iniciada por Howard em 2000 e certamente se firmará como um dos grandes trabalhos lançados este ano, quiçá nesta década; músicas como a maravilhosa “(I know) a girl called Johnny”, e outras como “Nothing”, “shut me down” e “Life’s what you make it” certamente farão a delícia de todos os que apreciam música de excelente cepa ; Rowland não resistiu ao câncer de fígado que cortou prematuramente uma bela carreira, mas se a fila do transplante foi madrasta, Pop Crimes certamente contribuirá e muito para fazer justiça a todo o talento desse australiano.

0 respostas

Deixe uma resposta

-
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *