“Resumindo, a surpresa, a sensação de despersonalização e a concordância do paciente com a nossa interpretação são as referências mínimas, as referências indiscutíveis que atestam que o analista não trabalha com seu eu, mas com seu Inconsciente Instrumental, e que aquilo que germina em seu interior não é seu, mas do outro.”

― de “Sim, a psicanálise cura!”

 

 

 

Um livro que mostra através de casos clínicos comoventes como um psicanalista acompanha seus pacientes até a cura

J.-D. NASIOJ.-D. Nasio expõe de modo original a sua concepção e a sua prática de como conduzir uma análise. O livro foi construído em torno de 8 exemplos de seu consultório – como o Homem de Negro; Amália, a mãe violenta; e Clara, a bebê que se deixava morrer.

Autor de uma obra já consagrada e numerosa, Nasio explica em cinco etapas como a tarefa analítica se desdobra: da observação à interpretação, quando o analista “diz com clareza ao paciente o que este já sabia, embora confusamente”. Apresenta ainda quatro variantes inéditas da interpretação do psicanalista, que leva à cura. E conclui que ao fim de cada análise “o advento da cura continua a ser um enigma”.

Nasio escreve e trabalha com uma inventividade que evoca a recomendação de Lacan de que cada analista deve reinventar a psicanálise. Não teme parecer simplista, e pede aos psicanalistas que se concentrem no essencial: não percam de vista a finalidade do tratamento e seus pontos fortes. Através de formulações ricas e quase sempre surpreendentes, comunica-se com os leitores de modo simples e direto – como se também aí exercesse sua escuta –, deixando neles uma forte marca de como a psicanálise é bela e profunda.”

Marco Antonio Coutinho Jorge (PGPSA/UERJ)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *